Monday, June 1, 2009

124 / Problemas Com a Autoridade

Inês Teotónio Pereira [na imagem] jornalista, com coluna intitulada "ESPECIALISTA CRIANÇAS", escreve ao sábado no jornal « i ». No passado dia 23 escreveu o seguinte: "Os meus filhos têm um problema com a autoridade: atiram-se para o chão do carro sempre que passam por um polícia. Quando avistam um simples agente da PSP, gritam uns para os outros: Baixa-te!, e dasaparecem dos espelhos. Como nenhum deles fugiu do reformatório, a atitude parece-me absolutamente esquizofrénica". E continua: "Também não se mascaram de agentes da PSP e não brincam aos polícias e ladrões. Ou seja, os meus filhos têm um problema com a autoridade, mas são uns déspotas ambientalistas - à boa maneira dos anos 60 ". Segue um texto mais ou menos nos mesmos moldes e remata da seguinte forma a sua coluna: "Quanto aos polícias, já tive que lhes explicar a diferença entre um GNR e um empregado da Prosegur: um passa multas, o outro não". Quanto a nós, sugerimos o seguinte: fixem o nome, divulguem a imagem, recortem o artigo do jornal e guarden-no no bolso. Quando esta senhora [ou qualquer dos filhos] precisar de nós... leiam-lhe o artigo!

61 comments:

Anonymous said...

Não é de estranhar,se para diferenciar um agente de autoridade de um vigilante a senhora não conseguio melhor explicação,que um passa multas e outro não,a fim de ilucidar o filho, só me estranho não ser ela tambem a esconder-se quando passa por um agente de autoridade,causa-me perpelexidade, é que não se trata de um típico caso de analfabetidsmo esta senhora escreve para jornais.Mas estão os dois muito bem acompanhados, quer se trate de esquizofrenia ou não.

Anonymous said...

Com opiniões destas emitidas por quem á partida é suposto ser pessoa esclarecida e informada é caso para se pôr em dúvida a qualidade dos nossos "jornalistas" que que na realidade não serão mais que "jornaleiros". Aliás com o que ultimamente se visto pela TV, pessoas com profissões até bastante conceituadas precedidas de sonantes títulos, a imagem que deixam é duma probreza franciscana confrangedora e fica-se a pensar como conseguiram os tais graus e titulos académicos.Conheço pessoas bem mais modestas muito mais ricas intelectualmente. Começo a dar razão a um amigo meu que dizia que o dificil era fazer a 4ªclasse do antigamente. O resto era preciso era lá andar.Embora não compartilhe desta opinião mas penso nela.

Francelina Dias, A Polícia Felina said...

Há realmente gente -muito- doente com poder a mais. Falta de autoridade e/ou ver autoridade através das polícias ou é falta de tino ou ressabiamento.

madrid said...

Eu acho que há que lêr o artigo com sentido do humor e rir-se das ocurrências dos miúdos, nao acho que a senhora queira ofender ninguém nem tenha nenhum problema com a autoridade. Por favor nao levem um artigo cómico a sério, afinal o sentido do humor é um signo de inteligencia, nao!? ;)

Geninho said...

Pessoas como esta são as primeiras a chamar as autoridades quando se sentem aflitas.

Anonymous said...

Tambem concordo com ao seu ponto de vista ,embora tenha sido o comentador nº. 1,mas no fundo, é o sentimento da pessoa o que lhe vai na alma, o que ali expôs não foi transcrito através de transmissão de pensamento ou qualquer outro modo , é como os bêbados que quando estão e dizem o que se estivessem sóbrios não diriam.

Misericórdia!! said...

"afinal o sentido do humor é um signo de inteligencia, nao!? ;)"

Sim, é. Será por isso que dentro da polícia há tão pouca gente com sentido de humor???
São tão quadradões, valha-nos Deus! Sentem-se sempre tão ofendidos. Talvez seja por isso que há tantos suícidios dentro das forças polícias (na mesmíssima tendência).

A ameaça velada do policíadas, é que dá pena. Será que não sabe, não consegue, ser superior? Com humor?
Levar consigo deve ser enfadonho!

Anonymous said...

Só lamento a educação que estas crianças recebem. Um dia que precisem, porque se perdem da mãe no shopping ou por outra razão qualquer, a quem vão pedir ajuda? Ao polícia não, porque a mão os ensinou que eles são os maus...
Quando virem um polícia na rua a correr atrás de um indivíduo que acabou de cometer um roubo violento ou outro qualquer crime, o que irão pensar? Lá vai o polícia mau a querer prejudir aquele pobre cidadão... infelizmente há demasiada gente a pensar assim. E por que pensarão assim? Por várias razões, mas uma delas certamente será porque crescem em ambientes familiares onde lhes ensinam que o polícia é o mau e que a diferença entre este e o segurança é que este passa multas.

Anonymous said...

O povo tem a polícia que merece.

Anonymous said...

caro último comentador, acha mesmo que o povo tem a polícia que merece?
Veja como é que a Polícia de povos mais desenvolvidos resolvem situações como a que tivemos em Agosto do ano passado no assalto à agência do BES em Campolide. Ou como resolve revoltas como a que tivemos o mês passado no bairro da Bela Vista ou, ainda, como garantem a segurança de grandes eventos como um europeu de futebol... E quanto a abusos, de que muitas nos acusam, passe no youtube e veja o que se passa com Polícias de países com povos desenvolvidos, a começar pelos states...
Mal deste povo se tivesse a polícia que merece mas, quando se educam os filhos ensinando-lhes que a diferença entre o polícia e o segurança é que o primeiro passa multas, não admira toda esta ingratidão.

Anonymous said...

Toda a razão, o povo não merece a polícia que tem,não me refiro ao seu grau cultural que sempre andou muito á frente no tempo,daí as constantes incompreensões na sua actuação,resultante de duas realidades, apesar do esforço de uma das partes,em esbater esta diferença,afinal de contas é o que temos e com o que se tem de lidar,por muito que certa classe intelectualóide sempre quisse-se fazer crer o contrário.

Anonymous said...

Não entendo bem essa do grau cultural andar avançada no tempo. Só se com o novo acordo ortográfico agora se escreve quisse-se em vez de quizesse. Mas está bem. Fica assim.

Anonymous said...

Fica mesmo assim, sem comentários...

Anonymous said...

Bom Português

Quisessem os polícias ter humor…
Quizessem os polícias terem o humor…

Descontraiamsse

Anonymous said...

Eis uma pessoa bem humorada, como regra geral costumam ser os elementos a que alude.Não é daquele género de indivíduos que á partem para ao debate com ideias pré.cocebidas..

Anónimo X said...

http://aummetrodochao.blogs.sapo.pt/

Anonymous said...

Face ao que tem acontecido os polícias deviam todos entregar os crachás

Anonymous said...

Concordo com todas as formas de reivindicação, desde que não inclua artigos, equipamento ou uniforme revelador de falta de desprestígio tanto para com essa símbologia e instituição,como desconsideração para com o próprio.

Anonymous said...

Quantos mais camaradas, vão ter de tombar para se dignificar esta profissão? Actualmente já há uma revolta latente na maioria do efectivo, os cerca de 8 mil manifestantes foram uma prova disso, será que é preciso chegar a vias de facto para haver mudanças? Quando um ou outro General reformado, disse à comunicação social que estava a tornar-se difícil controlar as tropas, o governo tremeu, os militares têm armas! O governo esquece que nem só os militares têm armas!

Anonymous said...

Lamento as ocorrências com ferimentos nos polícias. É mau por que são homens que ao serviço da causa pública arriscaram a vida e nem sempre são reconhecidos. Também é mau por que é a autoridade do Estado que em causa. Mas pergunto: Se é verdade como li que eram dois guardas recém saídos da escola que são mandados para um local que se sabe de antemão arriscado, não teria havia pouca sensibilidade por parte da chefia da esquadra na sua nomeações? O seguro morreu de velho. Não teria sido mais sensato irem acompanhados por um graduado ou memsmo por outro guarda mais antigo?

Ao comentador que lembra que os policias também têm armas, tenha cuidado. Com a hostilidade que vêm mostrando aos militares, não sei se teriam tempo sequer para as usar.Calma e cabeça fria.

Anonymous said...

É certo, que numa cadeia composta por vários( elos) quando algum desses, por inépcia ou incompetência, não cumpre com a sua parte, por certo que está ou devia estar ciente que irá onerar com essa sua atitude os demais intervinientes do processo,o que não é de todo aceitável se transfira para terceiros e para a sociedade as suas responsabilidades,mas também não é com ideias 3º. mundistas a resolução do problema,não se pode colocar a questão em ter ou não armas, que não devem entrar na discução. A ser assim o comentador estaria a caucionar o procedimento criminoso e intolerável praticado pelos marginais, que com toda a razão tanta repulsa lhe causa e que esteve na base da sua crítica.

Anonymous said...

Vamos ver se nos entendemos. Apesar de não percebr bem o comentário anterior, vou explicitar melhor o que quis explanar.1º-Condenação absoluta da acção criminosa que atingiu os dois guardas.2º- Resposta ao comentador que se compara com os militares por ambos possuirem armas como meios de intimidação ao poder político.Neste caso repudio.São planos de apreciação absolutamente distintos.Penso ter sido claro

Anonymous said...

Sim claro, condenação nestes e noutros casos que, se por acaso tivesse sicedido acredito não se teria chegado a extremos, não venham os srs. drs.J. apontar só as leis,porque tem-se visto o que tem sido o seu desempenho em casos concretos, é verdade que justiça,e política tem funcionado em ciclo de amiguismo género corporativista em que todos têm telhados de vidro ou rabos de palha e ninguém ousa fazer leis para servir o país mas para se defenderem aos próprios e os seus negócios inclusive ilícitos, o povo que tanto apoiou o 25 de Abril não merecia isto.

Anonymous said...

Por certo que alguns que fizeram e postriormente aderiram ao 25A, nesta altura devem estar bastante arrependidos, não da acção, mas a quem entregaram o poder. Ninguém esperaria que passados 35 anos aparecesse gente que "democraticamente" usasse e abusasse do poder que lhes caiu de bandeja.Os militares ( que neste blog são pouco apreciados) deixaram-se enganar. Bem dizia o prof Marcelo, mas o Caetano, que "não eram os que faziam as revoluções, que ficavam nelas".Concordo com o comentador anterior quando diz que a justiça e a política andam num ciclo amiguista tipo corporativo para se defenderem. Com tanta trapalhada que diariamente é noticiada, quem está preso? Só o O.Costa.Mas já está anunciada a sua libertaçãopara breve. Isto não é um país.Vive-se num faz de conta. Nunca se mentiu tanto e tão despudoradamente, mas o povo parece não se importar. Fico a aguardar para ver o que nos traz 0 27 de setembro.

Anonymous said...

Então colegas estamos de férias?

Anonymous said...

Então colegas estamos de férias?

Anonymous said...

Concordo com algumas das suas afirmações, não tanto que os militares fossem enganados, esse seria o percurso normal numa democracia digna desse nome, é bom lembrar que os políticos da altura não tinham nada a ver com os actuais políticos de aviário,que vão para o lugar não defender causas e interresses do país, mas tão só defender negociatas, interesses obscuros e tachos.

Anonymous said...

Então ainda não temos um comentário à "Falácia" dos acessores de investigação criminal da PJ publicada hoje no CM???

Anonymous said...

No que diz respeito á IC,não deixa de ter alguma veracidade, quanto á prevenção, ninguem previne nada desde que seja destituído de autoridade, nem que haja um elemento ao virar de cada esquina,nesse ponto, deviam apontar para quem faz leis e quem as devia aplicar.

Anonymous said...

O Santiago é sempre a mesma coisa.Eles terão por lá algumas "Falácias" dignas de registo.Resolvendo os processos que por lá abundam, já faziam bastante.O grande/enorme problema é, quando os "outros" não sabem ou não lhes dizem, ficam a zero, e os casos pendentes a aguardar melhor prova.Quando o MP os dirigir efectivamente, aí vão concerteza sobressair todas as falácias que por lá andam.

Anonymous said...

Este último comentário, era desnecessário, por certo que as críticas não se enquadram nesta tipo. Dou eu um exemplo croncreto, um bebé morre,não se sabem as causas mas em princípio não há indícios de crime, o elemento que intervem,chama a PJ, mas ele próprio transporta os pais á E, esta chega ao local, tem de aguardar que o primeiro interveniente,0s ouça em A. declarações, para depois fazer o mesmo, sabendo a quem cabem estas competências, pergunta-se o porquê de processos paralelos, ou bem que se assume ou não.

Anonymous said...

A FALÁCIA

Aquele que avança com a denúncia da falácia está inteiramente convencido de que detém a verdade (ou uma espécie de verdade).

Uma falácia nasce como forma de oposição a um modelo crítico preexistente, isto é, quando alguém pretende qualificar criticamente um modelo anterior para que o seu próprio modelo ou teoria se possa impor.

Anonymous said...

Como estamos de férias, isto tá fraco de afluência. Há muito que venho assistindo a uma polémica entre a investigação e o pessoal do policiamento, chamemos-lhe assim, de proximidade.Daquilo que vou lendo por aí , é universalmente aceite que estas duas funções básicas (policiamento e investigação) são complementares e dependem uma da outra. O maior ou menor protagonismo de uma ou outra depende dos indices de criminalidadeno País, das garantiasindividuais usufruídas pelos cidadãos e outros que agora não vale a pena mencionar. Yalvez merecesse a pena pensar nisto.

Anonymous said...

Pois é caros colegas, mas alguém se esqueceu de que quando se informa a PJ de certas e determinadas ocorrências, o que dizem????

- Resumam tudo a A. que nós não nos vamos deslocar ao local...

Eu pergunto: Não são situações de competência EXCLUSIVA da PJ???

Afinal que querem?

Queremos Fazer, mas façam porque não queremos fazer...

Anonymous said...

Sei que isso acontece, mas a que situações se refere, não serão as tais a que outros Org.Pol. têm competência e ás quais compete investigar?. desculpem,não devo andar longe da realidade, quer-me parecer que uma parte significativa dos elementos das FS que integram as bic se lhe perguntarem, desconhece qual a moldura penal em que se enquadram os crimes, cuja competência lhes está reservada a investigação.

Anonymous said...

July 23, 2009 10:58 AM

Vc se não é burro, anda lá perto.Sabe quais são os crimes de possível investigação dos outros OPC`s?Se não os disser TODOS, sou obrigado a concluir que para além de burro é papagaio (aquele que repete o que os outros lhe dizem)

Anonymous said...

Para:
July 23, 2009, 10:58 AM

Nunca discutas com um ignorante, pois ele arrastar-te-á para o seu nível, e vencer-te-á porque tem mais experiência...

"Emprenhar pelas orelhas não dá trabalho, não é???"

Saudações Policiais

Anonymous said...

Era precisamente minha intenção ,antes de ver o seu comentário,aquele comentador infelizmente só veio aclarar algumas dúvidas, reforçar as minhas convicções.

Anonymous said...

Para: July 17 2009 3:20. Enquanto profissional, não será essa uma das suas obrigações, quer nessa matéria ou outras,dar conhecimento de todas as infracções os crimes de que tenha conhecimento, ou lhe sejam transmitidas á entidade com competência na resuloção da questão,ou quer apropriar-se pessoalmente das funções de que está investido,se na E.A.não lhe ensinaram noções tão básicas, então agradeça aos instrutores que teve.

Anonymous said...

July 26, 2009 6:52 AM

Está a falar de notícias ou informações?
Se quer notícias compre o jornal, se de informações se trata tem que falar com o SIS.Justiça me fará se reconhecer, que obter informações, só pisando os "tacos".Conheço bem a lei que rege a minha função e razoavelmente bem a de alguns outros OPC`s.Percebi o teor da sua mensagem, mas deixe-me dizer-lhe que nem os intrutores do meu curso, tinham um alinhamento de Português tão mal estruturado.Não dou demasiada importância a esse reagente, uma vez que por aqui há, solvente em abundância.
Saudações Policiais.

Anonymous said...

Em resposta a este último comentário,peço licença ao July 23,10:58 AM, mas aplico as suas palavras ao autor do dito.

Anonymous said...

Fique ciente, que está a falhar o alvo, a acertar ao lado,não é por se exercer idênticas funções que se tem o mesmo ângulo de visão, nem se defendam os mesmos pontos de vista,muito menos quando alicerçados em capelismos.

Anonymous said...

é só retórica... já nem dá gozo vir aqui. este sítio é só vosso...
podem ficar com ele e trocar sms´s de vez em quando.

Anonymous said...

July 28, 2009 2:44 PM

Aqui já só aprende, o que é uma chatisse.O acto de aprender só enobrece/enriquece, quem o pratica.Continue a ter gozo em aprender.Quanto ás SMS vamos a isso, mas veja lá não esmoreça o seu deleite a trabalhar em prol dos nossos concidadãos.

Anonymous said...

Atenção:

O titulo deste Post é:
Problemas com a Autoridade,

e não...

Problemas com as Competências!

Aproveito para solicitar aos gestores/autores do blog para inserir novos post's pois, sinceramente, estou a ficar farto de ler comments que não têm nada a ver para o caso...

Anonymous said...

"chatice"

"às"

sms parecem os comentários que apenas 2 ou 3 pessoas trocam aqui nos comentários.

Anonymous said...

Mais um sms,se são só esses a opinar ainda bem,são pessoas com ideias sejam boas ou más,está aberto a todos possívelmente é porque os demais não têm opinião, ou capacidade para comentar seja o que for.

Anonymous said...

July 29, 2009 1:10 AM

Inspirou-se no Nobel Saramago? Ou terá sido Edite Estrela?Sendo a ortografia importante, confesso que estou um pouco baralhado com o acordo ortográfico,mais ainda serão as ideias e sua concepção.
Saudações Policiais.

Anonymous said...

Há, c b ar em dr.

Anonymous said...

Há, c Dr a b

Anonymous said...

É tão interessante como se cai no mesmo erro que os posts aqui referem. Que culpa tenho eu, como jornalista, que haja camaradas mediocres? Ou vocês que tenham camaradas corruptos? Essa de meter tudo no mesmo saco é razão para que vos possam fazer o mesno sem direito a reclamarem. Cada um que fale por si. Lamento, mas apesar de pouco corporativo, também acho mal generalizar. Quanto aos assuntos, muito havia para dizer. Umas vezes com razão, outras nem por isso. E, já agora, a resposta à senhora do "i" seria obviamente ajudá-la e não mostrar-lhe o artigo. Pensei que a superioridade se media pela capacidade moral e não pela vingança mesquinha. Quanto ao artigo, nada a dizer. Eu que trabalho no i, subscrevo, é uma tonta.
Um grande abraço

Anonymous said...

August 9, 2009 11:49 AM

Sr. Jornalista:
O Post é dirigido a uma pessoa, com o nome de Inês Teotónio Pereira,não generalizou.Diga-me em que parte do Post refere outros jornalistas.Em função do teor da sua mensagem, concluo que Vc tem dificulades de compreensão/explanação,da língua oficial deste País, lamento.Mostra claramente dificulade argumentativa.Em caso de necessidade, claro que vai ser ajudada, mas ainda assim mostrando-lhe o artigo, para que veja e sinta que se não houvesse lei e ordem, tal era impossível de ser escrito.A senhora só pode ter assuntos mal resolvidos com a vida, ideologicamente está identificada e em termos de estrutura mental, é simplesmente inqualificável.Caro e Sr. Jornalista, volte sempre que aqui também ensinamos.

Anonymous said...

Caro:
Não me estava obviamente a referir ao post, mas aos comentários. Quanto às dificuldades argumentativas ou o domínio da língua, muito bem, o caríssimo será com certeza muito mais letrado do que eu. Concluir que tenho dificuldade em compreender ou explanar, por um comentário, parece-me brilhante. Adiante, o que é verdade é até não conseguir mais, aprenderei todos os dias. Não sou nenhum detentor da verdade. Citando um provérbio da primeira língua oficial portuguesa (é que o mirândes é a segunda): Presunção e água benta, cada um toma a que quer.
Um grande abraço

Anonymous said...

August 12, 2009 4:42 AM

Lá está o Sr. Jornalista a presumir!
""Presunção e água benta, cada um toma a que quer.""
É possível deduzir daqui, que eu sou um petulante/ignorante e o Sr. está num estádio de maturação de raciocínio superior.Considerando na sua análise que eu estou em erro interpretativo, Vc fechou o círculo.
Fique tranquilo, eu sou uma mente aberta, sem estigmas ou preconceitos de cariz profissional.Sou um homem de convicções, vou ao limite na sua defesa, independentemente dos interlocutores.
Saudações Policiais

Anonymous said...

Muito bem.
Não tenha para si que lhe estou a fazer qualquer tipo de ataque.
E não deduza o que eu não disse. Não o conheço para fazer de si juízos de valor e, muito menos, para o aplidar de ignorante e petulante. Apenas vi o seu reparo também como uma provocação, a que acedi, penso, com o mesmo respeito por si que terá por mim. E assim quero continuar, porque apesar de não o conhecer, tenho muitos amigos seus colegas, que me merecem o maior respeito, consideração e até admiração. Acho muito bem que continue a defender as suas convicções, obviamente que independentemente do interlocutor.
Não o conheço, como referi, mas tenho a sensação que não somos muito diferentes. Se não levar a mal este comentário...
Saudações camaradas

Anonymous said...

August 13, 2009 4:36 AM

Gosto de uma boa réplpica.
Amigos jornalistas não tenho, mas conhecidos com quem me relaciono, sim.
Os meus colegas que lhe merecem
"respeito, consideração e até admiração", o relacionamento destes é para com o jornalista/cidadão ou o cidadão/jornalista?
Parece-me que em termos estritamente profissionais, as duas não devem andar de mãos dadas.
Permita-me a expressão, Vc é "rato".
Podemos defender pontos de vista semelhantes, mas não somos iguais.
Saudações Policiais

Anonymous said...

Pois não sei o que significa "rato". Se por acaso quererá dizer subreptício ou dissimulado, está completamente enganado. Quando pergunta sobre o meu relacionamento com colegas, só lhe posso dizer que antes de ser jornalista, sou homem, de resto como o são os meus amigos polícias. E esses, não confundo com a profissão. Com muito gosto.
E tem razão: não somos iguais. Saudações.

Anonymous said...

August 13, 2009 10:47 AM

O termo "rato" foi utilizado no sentido de ser um homem argucioso.Se os meus colegas são seus amigos pessoais, não lhe fica bem ligar a profissões dos mesmos, á vossa amizade.Os meus amigos também têm profissão, mas no nome deles não está incluída a profissão.
Folgo em saber que não mistura as coisas.
Saudações Policiais

Anonymous said...

Este blogue morreu ou quê?

http://www.peticao.com.pt/acesso-de-licenciado-a-oficial

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.