Sunday, February 4, 2007

2 / Oportunidade perdida

Saiu o número 1 da 3ª Série da revista «Polícia Portuguesa». É trimestral e esta é de Outubro a Dezembro. Chegou às nossas mãos em finais de Janeiro. «Déjà vu», dirão uns, ou, mais do mesmo, dirão outros. Na realidade é uma oportunidade perdida: vai ser novamente uma revista para gastar dinheiro e ninguém a ler. Porque tresanda de tal maneira a gabinetes, «inteligentzia», «establishment» e outras coisas tantas, que o sentimento que se tem quando vê a revista - a crer pelas anteriores - é de repulsa. Começa mal porque normalmente quando uma edição tem um prazo, é nos primeiros dias desse prazo que a revista tem que ser distribuida, logo em Outubro. Segue-se que toda agente é licenciada em qualquer coisa, para além de ter um posto ou função qualquer. Não bastava o posto? Será que a licenciatura é que ligitima e enobrece o autor e a revista? Os títulos continuam a ser idênticos aos dos jornais antes do 25 de Abril: «COMEMORAÇÕES NACIONAIS», «COMANDO METROPOLITANO DE LISBOA PROMOVEU ACÇÃO ÍMPAR», «EM JANEIRO VIROU-SE UMA PÁGINA NA HISTÓRIA DA PSP», etc., etc. Para terminar não se pode deixar de reparar que apesar da «renovação» tudo o resto é igual: a pose do Director Nacional na foto da revista, as mensagens, os dias dos Comandos colocados graficamente, um à esquerda, outro à direita, os polícias que falam com os idosos, com as crianças, que tratam da violência doméstica...
Terminemos: A expectativa gorada, uma oportunidade perdida.

2 comments:

Anonymous said...

Assumo a identidade de coordenador da revista . Assumo que se debate com problemas de falta de pessoal, presumivelmente será a única revista no pais feita por 4 pessoas.
Assumo eu proprio a razão de algum atraso da visto que tenho que me deslocar e permanecer longos periodos de tempo em tratamento oncologico em S Maria.
Assumo perante V exª que apesar disso as suas criticar só me daõ mais força para lhe dedicar mais tempo e como deve ter reparado enganou- se o tempo deu-me razão... é uma revista de qualidade ao qual convido até V exºa a nela participar com o seu talento.

O sr está mal informado ou esta á partida mal intencionado , porque , não se pede licenciatura alguma para se escrever para a revista...lamento profundamente .esse..negativismo algo cinico ...pessoalmente magoa-me porque mexe com o trabalho quem não pediu para ser reconhecido .


Com os melhores cumprimentos

J Oliveira

policiadas said...

Só hoje demos conta do seu comentário. Como bem reparou, «nós por cá» também temos dificuldades. A PSP quando põe um produto novo e o publicita, ele deveria ser mais do novo e menos do velho. Não estamos mal informados quanto às questões de autores/licenciados, pois se calhar já vimos aquilo que ninhum de vocês quer assumir mas que é legitimo: a Universidade Policial precisa de uma revista, de um boletim. Que seja profundo e elitista, mas que transfira idéias e apresente doutrina policial. A PSP, por outro lado, precisa de uma revista ligeira, com artigos leves, notícias verdadeiras, actualidade, saída a prazo certo. São realidades diferentes. Desculpe se se sentiu ofendido mas não era essa a idéia, mas a sua resposta, o modo da sua resposta, é um reflexo da concha em que os Oficias de Policia (de que também, mas não só, fazemos parte) se tornaram. Quanto ao seu problema de saúde, lamentamos a sua situação, desejamos as melhoras, mas, tal como disse, também aqui não se pediu nenhum relatório médico, mas não nos magoam as críticas. De Todo!