Friday, January 1, 2010

142 / Mau Exemplo

Entrou hoje em vigor o novo Estatuto do Pessoal da Polícia de Segurança Pública. Diploma aprovado há já alguns meses, não agrada praticamente a ninguém. Se foi bem ou mal negociado, é óbvio que foi muito mal negociado. Os nossos representantes, quer seja por via da hierarquia, quer seja através dos sindicatos, vacilaram a toda a prova. No entanto, o 'novo'(?) estatuto é como as bruxas: podemos não acreditar nele, mas ele está aí. Com ele veio a desorientação total. Nem a Direcção Nacional da PSP nem os Sindicatos (sobretudo estes, tão afoitos a panfletarem vendas de telemóveis e outras atracções para cativarem seguidores) produziram e publicitaram, desde a sua aprovação, qualquer documento orientador, válido e sistematizado, no sentido de se tentar comprender o que é afinal esse texto legal. Os responsáveis policiais não esclarecem [facto recorrente na nossa organização no seu diálogo interno. (Ah! que bem se fala dos stakeholders durante as formações!!!)] e os responsáveis sindicais(?!) dizem que na questão de determinados horários, que dão direito a subsídios, foram negociados à parte, com o Ministério das Finanças, anulando assim a letra e o espírito da Lei. E ameaçam com acções de luta. Que acções de luta? Os dados estão lançados, somos funcionários públicos (não se esqueçam de deixar a arma e o crachá no cacifo quando acabarem o turno ou expediente, pois o nosso colega das finanças também não leva o carimbo nem o agrafador para casa), os nossos comandantes nada conseguiram para os comandados e os sindicatos e as assessorias jurídicas revelaram toda a sua incompetência. Hoje, amanhã e depois, acordaremos, fardar-nos-emos e cumpriremos a nossa missão. Como sempre.

31 comments:

Anonymous said...

Bruno Lameiras

Boa noite.

Concordo na íntegra com o conteúdo do texto.

Se há coisa que me tem espantado nos últimos tempos, e a título de exemplo, parece que ninguém sabe quanto vai receber de ordenado. Em conversas com vários colegas, cada um tem a sua teoria!

Então esses tais índices fictícios… Ui… eheheheh

Acerca dos Sindicatos, não quero nada com essa gente! Desde que era suposto eu ter sido promovido há 4 anos e os sindicatos nada fizeram, para mim foi a gota de água. Vou mais longe e acredito que os sindicatos só servem para os tais “dias de sindicato” que muita gente aproveita para fazer menos noites!  Deve ser para irem às reuniões.

Ainda a propósito, é arranjarem mais 5 ou 6 que os que temos parecem poucos…

Cumps

Anonymous said...

O exemplo desta desorientação que é este estatuto, reside no facto dos elementos afectos ao Policiamento de proximidade, bandeira da PSP e em muitos casos imagem de marca da instituição, com a entrada em vigor deste diploma ficarem a "arder" em cento e tal Euros ao fim do mês.
Ai se vê que o estatuto não foi pensado nem reflectido pela estrutura directiva da PSP.
Incompetência pura e dura!

Anonymous said...

Para meu espanto, ao ler um comunicado do concelho de ministros, verifiquei que na revisão da carreira docente são propostas pelo governo alterações remuneratórias (para melhor obviamente) com referencias a índices e escalões - qual posições remuneratórias, qual tabela única, qual lei 12A, qual carapuça! essas são são para os polícias...

Anonymous said...

Boa noite, não conhecia o Blog mas por indicação de um colega fiz uma visita e considerei o tema muito pertinente.

Em primeiro lugar concordo com o conteúdo do texto.
Em segundo, os nossos OFICIAIS, especialmente os Intendentes, Subintendentes e Comissários, só ganharam com este estatuto ( mesmo civilista ) olhem: estão todos ( ou quase todos ) a ganhar há mais de um ano, o vencimento do posto imediatamente superior ( + ou - ) 500€ e agora a partir do dia 01/01/2010 mais o subsidio de representação que é + ou- 200 €, vejam só!!!!! O que a lei 12-A trouxe.
Os outros apenas ganham uns trocos provisoriamente ( 50 a 100€ ), porque com a aplicação da Lei 12-A vão ser reposicionados num determinado índice e ficar retidos, uns para sempre e, outros ( muito poucos ) lá vão mudando com os Muito Bons nas avaliações.
Meus caros, isto está muito BOM para uns e muito MAU para outros, ora veja-se para o concurso a Superintendente as vagas são muito precisas 31 ( quantos concorrem = 31 ) LINDO, assim até eu ia lá e, não sou oficial. Agentes principais umas centenas de vagas o universo de 7500.
Na minha Terra diz-se “ conforme se toca assim se dança “
P: Quem esteve na feitura do estatuto ? Foram os sindicatos ? Não. Foram os SÁBIOS …..

Anonymous said...

Para o anónimo anterior: o acesso para a categoria de Sábio, com o novo Estatuto, fica agora aberto ao pessoal policial com idade inferior a 45 anos.
Por isso já que parece invejar tanto essa categoria, dedique-se um pouco e talvez consiga alcançar as regalias que os sábios conseguiram.

Anonymous said...

Para O sábio anterior, não pretendo fazer o defesa de quem criticou os sábios, mas verdade seja dita, isto está mesmo bom é para os sábios, provenientes da escola dos sábios sem terem passado pela sabedoria base, esta sim uma verdadeira escola de policias que embora não sejam sábios, muito tinha a ensinar a uns quantos sábios que por aí andam , mas ninguém os houve.

Anonymous said...

Há sábios bons e há sábios maus.
Há "sabedores de base" bons e há "sabedores de base" maus.
Também há sábios que já foram "sabedores de base".Alguns deles são bons outros nem por isso.
E tanbém me parece que haverá por aí muito preconceito, inveja e azedume.

Anonymous said...

É a palhaçada geral!!!!
É só inteligentes, mais uma vez vão ter de alterar qualquer coisa em cima da hora (provavelmente ilegal) para que muitos não baixem de ordenado. (até agora foi assim)

É certo que "não há dinheiro para aumentos", mas porque não pagar mais a quem faz mais?
Refiro-me ao pessoal da patrulha, que tem folgas de caca, e um fim de semana de 3 em 3 meses?

Mas não... é preferível e mais rentável fornicar o vencimento dos restantes...

Feliz 2010?
arvorado

Anonymous said...

Agora sim. Estou a ver o blog com algum conteúdo. Este assunto dos oficiais de 1ª. e os de 2ª. já deveria ter sido alvo de debate anterior.
Como Oficial da PSP e de Base e com MUITO ORGULHO, tenho a dizer que aos actuais Intendentes quando eram Subcomissário e Comissários foram tratados como FILHOS. Nada semelhante ao actual, que nos tratam como bastardos. Sempre foram apoiados na Carreira e nunca lhes colocaram obstáculos como os que estão a colocar agora. Só vejo avareza, esquecendo-se por completo de quem deu nome à instituição e tanto a dignificou.
Na congénere (GNR) o tratamento foi diferente o “Principio da Igualdade” foi aceite. Os Oficiais de BASE podem chegar a Coronel;
Nos enfermeiros e professores foi-lhes dado equiparação ….. sem problemas.
“Bons e maus aos em todo o lado”
Na PSP apareceram uns ILUMIDOS e CORPORATIVISTAS que só pensam neles. No futuro que espero ver, ainda os vou ver a PATRULHAR, porque quem tem poder ou influência numa instituição, deve pautar pelo equilíbrio e não só nos seus interesses, especialmente, económicos, porque laborais – trabalho de polícia – poucos os sabem fazer.
Este Estatuto acabou por completo com o profissionalismo dos OFICIAIS DE CARREIRA, espero que saibam ser como eu o fui ou melhor ainda, visto serem SÁBIOS.
Este local é de comentários, mas o moderador que desculpe estes desabafos.

policiadas said...

Todos os comentários são válidos e bem vindos, pois é uma forma de se manter (a já rara) a liberdade de expressão.

Anonymous said...

Ao An. January 4,2010 2:11 PM-:Tem razão em parte no que refere, mas o facto de deixar transparecer menosprezo, monoriza a actividade de patrulha, a essência e razão da existência da instituição, só por isso não tem o meu apoio.

Anonymous said...

Será que o anónimo de January 4, 2010 2:11 PM nos podia esclarecer sobre porque é que este Estatuto acabou por completo com o profissionalismo dos Oficiais de carreira?

Anonymous said...

A propósito do rumo que os últimos comentários estão a levar, deixem-me deixar o seguinte comentário:
Sou Oficial de Polícia, titular de licenciatura em ciências policiais. Respeito todos e a experiência tem-me mostrado que que há bons e maus oficiais de carreira, da mesma forma que há bons e maus oficiais com a mesma formação profissional que eu. Acima de tudo, entendo que há boas e más pessoas.
No entanto, para mim há algo que, para o futuro é indiscutível - um Oficial de Polícia terá de ser titular da licenciatura em ciências policiais. Da mesma forma que um médico tem de ter a licenciatura em medicina ou um juíz em direito, para o prestígio social da Polícia, um Oficial tem de ser licenciado em ciências policiais.
Imaginem o que seria se um funcionário judicial, ao fim de x anos de experiência e umas promoções e cursos internos, pudesse ser juíz ou que um auxiliar de acção médica depois de x anos a assistir médicos pudesse ser médico! Pois, na Polícia, se queremos ser respeitados socialmente, também não podemos permitir que um Agente, por melhor profissional que seja, possa chegar a Oficial sem esta licenciatura. Só desta forma a instituição será respeitada e só desta forma todos, incluindo os Agentes e Chefes, seremos respeitados pois, só assim o cidadão comum saberá que por detrás de um qualquer Agente, está um Oficial com formação universitária específica e não um outro Oficial qualquer que, por melhor pessoa que possa ser, lhe falta o mesmo que ao melhor dos funcionários judiciais falta para ser juíz.
E neste momento, a Polícia já não tem qualquer elemento que não podesse ter concorrido à licenciatura, pois esta já existe há 26 anos e agora o novo estatuto ainda altera a idade máxima de acesso para os 45 anos. Por isso, acabaram-se as desculpas!

Anonymous said...

Bruno Lameiras

Boa Noite.

Com o decorrer da conversa, criou-se uma discussão deveras interessante, quase a "roçar" o chat.
Comentário, após comentário, foi-se confundindo a Estrada da Beira, com a beira da estrada, mas como o objectivo é opinar e tentarmos todos, após a análise das opiniões expostas tirarmos as conclusões que quisermos, cá vai…

Assim, aproveito o balanço, para escrever a minha opinião acerca dos Oficiais.
Com o devido respeito que tenho por todos quanto trabalham para esta Instituição, julgo, que a carreira de Oficial jamais poderia vir do "mundo civil".

Se a teoria é importante, é do senso comum que a experiencia é insubstituível, acho que isso é da opinião geral. Agarrar num jovem de 25/26 anos, depois de um curso de 5 e pô-lo a comandar uma Esquadra, não me parece coerente.
Sabe-se o que é a patrulha, mas nunca se fez nenhuma. Sabe-se o que é lidar com um cidadão alterado, mas nunca se lidou com nenhum. Sabe-se o que é uma situação de stress, mas nunca se passou por nenhuma.
E para mim o sabor de um prato, não se vê na receita, sente-se quando se prova.
Os postos de chefia deviam ser por progressão na carreira, independentemente da forma como seria feita.
Por ex. como funciona o curso de subchefes.
Por fim, quero dizer, acerca da classe a que me refiro, que já conheci bons e maus, não passando este texto que escrevi do que é. Uma Opinião!

Cumps

Anonymous said...

Boas...este é o mais puro exemplo, de como na nossa coorporação, não existe união, e dessa forma pouco ou nada conseguiremos.
Num tópico onde se fala do novo estatuto, a conversa deriva para "picardias" e rivalidades, de quem faz e de quem tem e de quem sabe.
Como dizia o poeta: "dividir para reinar".
Como remate final, a não atribuição dos tão aclamados 110 Euros, na minha humilde opinião, está justíssima. "Quem não trabuca, não manduca". Não fazem noites, feriados, fins de semana...certíssimo!
Abraço e bom ano a todo(a)s

Anonymous said...

Parece-me que o Sr. Bruno Lameiras não tem qualquer noção do que é ser Oficial nesta casa.
Claro que é apenas a sua opinião mas não deixa de estar equivocado.
Tal como um engenheiro não precisa de saber assentar tijolos ou chapar massa, um Oficial de Polícia não precisa de ter andado a patrulhar ou a autuar. Não precisa, mas não obstante até sabe e fá-lo!!Eu fi-lo e não me custa nada fazê-lo de novo. E bastam apenas alguns meses no terreno, para que qualquer Oficial licenciado consiga ultrapassar o conhecimento prático de muitos dos elementos sob o seu comando com muitos anos de serviço,(e com vantagem de não possuir vicios.Aliás, alguns deles empenham-se tanto em funções "de rua" que acabam por descurar o seu papel principal: serem comandantes.
Verifica-se até que é nos primeiros anos de serviço à frente de uma Esquadra que um Oficial licenciado tem demonstrado as melhores qualidades que um Oficial deve ter: liderança, iniciativa, valentia, espirito de missão e de sacrificio,etc Infelizmente com o passar do tempo isso vai-se perdendo (não só os Oficiais, mas em todas as categorias).Quanto à idade e anos de serviço, são factores que por si só não determinam a qualidade de alguém.
A História da Humanidade está cheia de exemplos de grandes lideres que alcançaram os seus maiores feitos antes de perfazerem 30 anos de idade.
Alexandre o Grande conquistou o "mundo" com vinte e poucos anos.

Anonymous said...

Com 20 ou 30 anos de idade não existem impossíveis.

Anonymous said...

Bruno Lameiras

Sr. Oficial:

É a sua opinião, eu continuo com a minha, sem retirar uma virgula.

cumps

Anonymous said...

Está identificado

Anonymous said...

Bruno Lameiras

Pois... o Sr. não...

Bem... Nem vou comentar este ultimo post! "ai que medo"....

Mas quem tiver dúvidas que pergunte, eu respondo.

Cumps

Anonymous said...

è só arreganhar atacha , rir e mais rir ...haja dó..

Anonymous said...

Há um provérbio antigo que diz "Não sirvas a quem já serviu, nem peças a quem já pediu".
Os provérbios valem o que valem, mas são fonte da sabedoria popular, formada com base na experiência da vida e algum fundamento hão-de ter.

Anonymous said...

Tenho mais de duas décadas de Polícia e já conheci muitos oficiais licenciados no Instituto e, a percentagem ( em cada curso ) que posso alvitrar como Bons 10%, Médios 40% e que nunca deveria ser Oficias ou OPCs 60%. Digo isto pq tenho constatado que não saiam preparados para exercer funções de Comando. Não só pela idade, mas tb pela formação que lhes é ministrada. No inicio a comparação com os oficiais de carreira e como do vinho para a água.
Dali não saem “super sumos”, mas sim oficiais muito fragilizados. Não concordo, das funções iniciais que por lei têm – comando -. Só no 5º. ano de Subcomissário a que deveriam exercer essas funções, até lá deveria ser adjuntos de CMDT de Esquadra.
OBS. Concordo que há sempre excepções. E a PSP precisa desses Oficiais, mas também deveriam dar mais prestigio ( carreira ) aos oficiais de carreira, mesmo limitada até Subintendente. Na GNR passa-se o que disse anteriormente e as coisas têm melhorado muito com essa simbiose.
Ass: Mastro

flautinha said...

Cumprimentos,

Lendo estes últimos comentários, não poderia de deixar de dar a minha opinião. O que aqui se está a passar não é mais do que se passa no mundo lá fora todos os dias.
Atualmente gerou-se a ideia de que toda a gente sabe fazer tudo e de que o chefe/patrão ou comandante é um burro. Isto passa-se no blog, na Esquadra, como se passa na rua quando um qualquer cidadão começa a interrogar o trabalho do Polícia: há dias quando fiscalizava um café, estava um pirralho de 14 anos a dizer que não podia entrar ali sem papel, perguntava-me insistentemente pelo papel. Talvez se referisse a um mandado de busca que talvez tenha visto no CSI ou algo parecido.
Isto para dizer que cada um deve fazer a sua função, e fazê-la o melhor possível, sem estar a avaliar o trabalho dos outros, pois para além de não lhe impender essa tarefa, não se encontra credenciado para tal.
Infelizmente o nosso país não tem essa cultura, e afigura-se-me cada vez mais difícil caminhar nesse sentido...

Serpico said...

Concordo plenamente com o que o flautinha escreveu, que resumiria da seguinte forma: é sempre mais fácil criticar os outros ( burros e incompetentes) do que a nós próprios (licenciados em sabetudismo).
Parece que toda a gente anda frustrada com o que é e com o que faz e inveja sempre quem está acima (e muitas vezes até a quem está abaixo).
A galinha da vizinha é sempre melhor do que a minha.

Anonymous said...

De facto é mesmo para rir,é com tristeza que junto ás suas as minhas gargalhadas...

Anonymous said...

Bruno Lameiras

Boas.

Lamentável o rumo que leva este tópico! Começou-se numa abertura de porta, mas já vamos num assalto a residência! Isto tem como objectivo, julgo eu, todos poderem expor as suas opiniões. Mas se por acaso alguém contraria a opinião de um user com menos poder de encaixe, falam logo em inveja e “nhonhonho”… Se a piada é para mim, eu adoro o que faço e quem me conhece sabe disso! O resto? O resto é um Blog…

Cumps

Anonymous said...

Ao Sr. Oficial licenciado:
Deveria (re)conhecer, em virtude de ser licenciado,valorizar o saber empírico e o saber científico.
Pelos argumentos utilizados, concluo que não, mas olhe que está em qualquer sebenta.
Um líder não se impõe, pelo medo, posto ou RD, aceita-se pelo saber.
(elemento com 24 anos de casa, com muitos defeitos e algumas virtudes)

flautinha said...

serve o presente apenas para que o último comentário do tópico não seja o anterior...

Anónymu said...

artigo 114º
Salvaguarda de Direitos
Da aplicação do novo Estatuto não pode resultar redução das remunerações actualmente auferidas pelo pessoal policial.

Mag. said...

Não dá para entender! então os sindicatos nada têm feito?em prol da polícia, tenho para mim que fizeram bastante, quiseram tanto estes,como muitos oficiais,uma polícia civilista,sem militares os tais dos botas,agora lamentam-se que não querem submeter-se á aplicação da Lei 12/A,como soe dizer-se, não é possível ter sol na eira e chuva no naval,numa coisa julgo terem razão, se aplicável tal Lei, devem ficar com todos os direitos e deveres que os demais trabalhadores da função pública,com tudo que isso implique em prós e contras, para os governos.