Monday, November 17, 2008

100 / Inominados

De repente, parece que Portugal, descobriu que alguns indivíduos se serviam do futebol para negócios escuros. Chamem-lhe os nomes que lhe quiserem chamar, eles não se importam, pois faz tudo parte de uma cultura não só tribal como criminal. E acreditem numa coisa: não há clube ou SAD inocente no meio desta porcaria. Esses grupos organizados envolvem-se com a sociedade da lei e das regras, e usam-nas para se defenderem. Vivem, organizam-se e proliferam em torno da violência e ilegalidade. Durante anos tem sido assim. Por causa destes abstrusos, que os clubes/SAD alimentam, directa ou indirectamente, abertamente ou por baixo dos panos, voluntária ou forçadamente, que se têm passado das cenas mais violentas da nossa inocente sociedade civil, esta sim, a verdadeira prejudicada pela existência desses bandos organizados. Às pessoas, ao cidadão vulgar, não lhe passa pela cabeça o que estes indivíduos são capazes. Eles têm vindo num crescendo abusador; uma impunidade sem precedentes: ameaçam, traficam, agridem, insultam, cospem... e as Forças de Segurança ainda lhe têm que dar protecção!!! Muitos dos serviços (ditos) remunerados, para não dizer quase a sua totalidade, que as forças de segurança fazem aos estádios, são obrigatórios e executados nas horas de descanso dos elementos policiais. Os mesmos elementos policiais que depois vão entrar de serviço já completamente estafados. Para não falar ainda que todas as despesas dos meios materiais que são postos ao dispor destes serviços, se repercutem negativamente nos orçamentos das forças de segurança: os clubes/SAD limitam-se a "pagar"(!) uma mixordice por indivíduo e não é a todos [ver mensagem 47 / ... e Mal Pagos]. Estes criminosos têm que ser banidos enquanto grupo, e detidos, julgados e condenados enquanto indivíduos. Para que os verdadeiros adeptos possam retornar aos campos de futebol.
Por curiosidade, ver também as mensagens [46 / Espanto - 2 de Março de 2008] e [72 / Disfuncional - 20 de Maio de 2008]

28 comments:

Anonymous said...

Desta vez não temos um, mas sim dois assuntos!
Por um lado a criminalidade associada às claques de futebol e por outro os remunerados de tabela A, os ditos "desportivos".
Sobre a criminalidade parece-me que, no seio policial, ninguém se mostrará muito surpreendido. Afinal, esta operação apenas veio mostrar aquilo que todos nós já sabíamos e sobre ela apenas quero deixar os meus parabéns à equipa de investigadores da PSP responsável.
Sobre o mesmo assunto, se quiserem, vejam uma recente reportagem em http://revistafutebolista.blogspot.com/2008/11/terrorismo-nas-bancadas.html
Quanto aos serviços remunerados de tabela A, só tenho uma palavra para eles - "vergonha". Sejam eles referentes a clubes de futebol, concertos, procissões ou aquilo que mais quiserem inventar.
Se eu contratar os serviços de um electricista, mecânico ou trolha ele cobra-me precisamente o mesmo que cobra pelos serviços prestados a um clube de futebol! Por que carga de água é que a Polícia tem de cobrar valores mais baixos a um clube de futebol do que a um supermercado?!
Se a tutela entende, seja por que razão for, que os clubes devem pagar menos pelos serviços prestados pela Polícia, pois então que seja essa tutela a repôr o que falta para fazer o valor igual. O que não pode acontecer é aquilo que vem acontecendo, que é os profissionais de Polícia receberem menos se efectuarem o serviço para um desses clubes, que até pagam fortunas a alguns dos seus funcionários!
E por que será que não vejo, nem a hierarquia superior da Polícia nem os sindicatos a baterem-se por isto?!

Anonymous said...

November 17, 2008 9:54 AM

Concordo plenamente com o que diz. Há muito tempo que "pico" sindicalistas para estes dois temas. Contudo, são temas que não protagonismos, por isso deixa-se andar. Eu, faço remunerados, ninguém me obriga, mas a necessidade assim obriga (cada um pensa por si), mas já me senti muitas vezes envergonhado ao fazer certos serviços envergando a farda que escolhi como profissão. Os remunerados são mal pagos, sabe-se há muito tempo, mas também se sabe que a solução é aumentar significativamente os ordenados, compativelmente com a profissão que exercemos e logo verão quem é que é voluntário, ninguém. Quanto às claques, só tenho pena que esta operação tenha sido efectuada numa das claques. As outras agora vão estar em alerta, porque do outro lado da 2ª circular também há criminosos; em Belém idem; no Porto idem, em Guimarães idem. Espera-se ainda que sirva para banir pessoas que vão ao futebol somente para provocar desacatos e que nem o jogo vêem.

Anonymous said...

Já se fazem revistas aos espectadores no Estádio da Luz ou não?
Afinal quem comanda os policiamentos no Estádio da Luz? As claques são o reflexo do sentimento de impunidade.Relativamente aos remunerados é simplesmente vergonhosa a decisão da liderança/chefia da Instituição PSP, com a mais vergonhosa ainda anuência/concordância das tribos sindicais.Tribos arcaicas e rudimentares.

Anonymous said...

Na porta do T.I.C., esperaram pela carrinha, assim que esta chegou, aproximaram-se, agrediram toda a gente e ficaram impunes... Que vergonha, num caso destes, não haver policiamento à altura...

Anonymous said...

Na porta do T.I.C., esperaram pela carrinha, assim que esta chegou, aproximaram-se, agrediram toda a gente e ficaram impunes... Que vergonha, num caso destes, não haver policiamento à altura...

Anonymous said...

A falta de policiamento só resulta da falta de visão de algumas pessoas. Era previsivel, muita gente sabia e ninguém quis saber...É o que temos neste momento, só espero que não nos levem por aí a baixo. Voltem estão perdoados...

Anonymous said...

Pois,pois, já dizi a a minha prima Georgina que gostava de dizer coisas. E o burro sou eu?

Anonymous said...

Estava á vista de toda a gente a não ser daquelas pessoas que sofrem da pior das cegueiras e dos ramânticos dos anos 60,que as claques não iam ser excepção,para a criminalidade,para esta não há ilhas expugnáveis desde que não haja entraves,entranha-se,até porque já pululam em alguns corredores...e locais alguns decisórios,onde á muito pouco tempo seria impensável que chegassem.

Anonymous said...

Um pouco da históriada criminalidade,em Lisboa. Em 1911 =Escrevia ARMANDO RIBEIRO,o livro intítulado- A CAMINHO DA REPÚBLICA -A cidade de Lisboa e seus arredores,parecia em 1909,haver voltado ao seu primitivo mau estado de segurança pública.
Sucediam-se os crimes,sucediam-se os roubos,os assaltos ás pessoas e casas,em pleno dia.
A maioria das tragédias,ficavam envoltas em mistério,e as vítimas,do seu tumulo,decerto clamavam vingança,que a justiça humana não lhe concedia,por inépcia e por deficíência.
Pior que nos tempos de capa e espada,em que os aguazis percorriam ao menos em magotes as vielas estreitas da antiga Lisboa,ajudando-se nas lutas e nas investigações com a escaça luz da lanterna tremulante e a valentia e sagacidade dos corregedores dos velhos bairros da capital,esta,longe de se modernizar deixava campo livre á rapinagem insaciável,aos gatunos emeritos,designados com os pitorescos nomes de sobaqueiros,de mosco e carteiristas,coadjovada na sua faina sem refreamentos,pelos portadores da navalha e de box,conhecidos sob a alcunha de naifistas e rufias.
As principais ruas da cidade,como as da baixa,as próprias Avenidas da Liberdade,da Estefânia e D. Carlos,não escapavam ás manobras,iniciadas mesmo sem o auxílio das sombras nocturnas.
As constantes reclamações,vieram trazer á publicidade os seguinte curiosos dados estatísticos sobre a polícia e a sua situação.
Havia a esse tempo,além de 112 cabos e 23 chefes,1404 guardas,dos quais 200 estavam destacados no serviço da judiciária e administrativa. Esse efectivo sofria ainda importantes e escusadas deduções.Cada ministro em exercício tinha 3 polícias,que se revesavam na guarda das respectivas residências;cada ministério,1 agente e igual número as residências dos ministros de estado honorários,juiz de instrução,juízes,cozinhas económicas,dispensários,cemitérios,etc.Diminuia-se para tal fim,a guarnição das esquadras e postos policiais,conjugando-se com isso,o sensível número de baixas por doença baseada no exçesso de serviço e nas agressões dos desobediêntes ás ordens da autoridade,pouco respeitada na maioria das vezes,pelos desordeiros de profissão.Essas baixas,numa média de 90 por dia,eram auxiliadas pelas requisições dos tribunais,pedindo agentes para testemunhas,guarda de presos e outros serviços.
O comando da polícia confiado ao coronel José António de Morais Sarmento,só destacava portanto para toda a extensa área da cidade,desde os Olivais a Algés e do Terreiro do Paço a Benfica,900 polícias,que divididos em 3 turnos,para a rendição de serviço,representava um policiamento feito por 300 homens!.
Assim se vigiava a capital, e,a própria polícia o confessava,havia bairros inteiros ao abandono,tendo só a guardá-los,além dos cuidados dos moradores,o receio dos gatunos,ignorantes desse curioso pormenor,amável incentivo á destreza dos seus meios de acção e á violência do seu sufocar de protestos!.Tudo reclamava,mas ninguém escutava esses queixumes e muitos habitantes tiveram de fazer justiça própria e de confiar ao olhar atento e municiamento necessário,a vida e os haveres.
A segurança pública comsumia entretanto, segundo o orçamento de 1908-1909 1.230.395.390 reis,além de 110.476.815 reis para os governos civis,cabendo á polìcia 371.534.700 reis anuais.
Aumentando o estipêndio á polìcia,proporcionalmente aumentou o número de gatunos conhecidos pelas designações pitorescas de: gatunos de golpe,(roubo de carteiras) vitrineiros (arrombadores de vitrines),espadistas (roubo por meio de chave falsa)Carteiristas (roubo de carteiras nos carros eléctricos)bate-sornas (roubo dos dorminhocos) de mosco (roubo em estabelecimentos grandes)de queles (roubos em casas de malta)e artistas de somégo,ou fossem estes os gatunos estrangeiros operando nos estabelecimentos bancários."QUALQUER SEMELHANÇA COM A ACTUALIDADE É PURA COINCIDÊNCIA"

Anonymous said...

E o que me dizem ao livro apresentado pelos ministro e ex-MAI sobre a policia baseado em entrevistas de actuais e ex-policias? Gostava de conhecer as vossas opiniões.

Anonymous said...

E o que me dizem ao livro apresentado pelos ministro e ex-MAI sobre a policia baseado em entrevistas de actuais e ex-policias? Gostava de conhecer as vossas opiniões.

Anonymous said...

"November 19, 2008 7:59 AM"

Acha mesmo que são policias???
Cambada de mentirosos isso sim, só sabem denegrir a imagem dos Policias.`
É certo que as coisas não estão famosas, mas daí a passar fome, viver em condições miseráveis, isso não.
Muita gente vive em condições miseraveis, porque querem, porque foram criados assim e ganhem o que ganharem, vão tar sempre na mesma.
Já estou na PSP alguns anos e quando vim para cá alguns (são sempre os memsos, devem ser os entrevistados) diziam, se houve-se diferença de vencimento entre os operacionais e os impedidos, o pessoal trabalhava mais e queixava-se menos. Veio essa diferença e continuaram na mesma.
Por isso, os verdadeiros POLICIAS, não se reveem nesse lamentavel livro.
Um POLICIA

Anonymous said...

Já li alguns trechos do livros e acho que se aproveitaram de uma cambada de atrofiados, que nem Polícias sabem ser. São este miseráveis que temos dentro da Instituição que diviam ser corridos. Só dão mau nome e mau uso à farda, e quando é preciso trabalhar, escondem-se nas más condições e tal, psicológico e tal. Rua com eles. Isto não está bom, nunca esteve e nunca foi e não são estes cromos a aparecer em livros que vão fazer melhorar.

Anonymous said...

Apreciei os vossos comentários/apreciações ao já tão badalado livro.

Anonymous said...

Não li o livro,o que tenho intenção vir a fazer,mas pelo que li e vi publicitado nos orgãos de comunicação social parece reflectir a vida dos próprios e o que pensam os protagonistas da instituição,da qual demonstram não gostar,servem mal e erradamente os tem acolhido no seu seio,que não deve ser confundido com o sentimento geral,portanto deviam mudar de vida,não quero com isto dizer que na instituição tudo seja um mar de rosas,é um local de trabalho,não será certamente o sítio mais indicado para tomar chã.

Anonymous said...

O presente Post, foi colocado aqui, graças a mais um bom serviço da INVESTIGAÇÃO da PSP.
Note-se que os INVESTIGADORES, desta casa, executam (e BEM digo eu) o seu serviço, auferindo o mesmo vencimento que aqueles que denigrem a nossa imagem nesse livrito, com muito sacrificio e não raras vezes com prejuizo monetário.
Pergunto eu se os sindicalistas fizeram alguma coisa para que os INVESTIGADORES, fossem contemplados com algum suplemento extra, tal como aconteceu com a UEP.
Respondo eu também: Não fizeram nada, alias parece que o Sindicato dos Oficiais, tem feito uma oposição aguerrida junto do DN e do MAI, para que tal suplemento não seja atribuido.
Para refletir, a PSP, tem sido enaltecida, e MUITO, graças ao trabalho de briosos profissionais da investigação criminal, que antes de exigirem para si melhores rendimentos, têm pedido melhores condições de trabalho.
Parece-me que o DN devia olhar para este pessoal, com mais respeito, oferecendo-lhe melhores condições de trabalho e atribuir-lhe o dito suplemento.

um investigador said...

--- Pois é a acrescentar ao post sobre os investigadores criminais, falta dizer que quantas vezes, deixam para segundo plano os aspectos e responsabilidades familiares, em prol do serviço e como agradecimento, nem sequer estão previstos no novo enquadramento da Lei organica da PSP.

Anonymous said...

Agradeçam em particular ao sindicato dos Oficiais oriundos do Instituto, principalmente os "MANOS".Um é presidente do dito e outro é presidente da AG.É a consideração que os mesmos têm por quem trabalha.Como estão "agasalhados", têm que fazer poucas ondas."Agradeçam-lhes".

Anonymous said...

obrigado...

Anonymous said...

Hà elemntos,que parecem ser voluntários á força duas vezes,quando devia ser suposto o contrário,depois ufanam-se em auto-elogios,como que se o que fazem não fosse intrínseco, não esteja inerente á sua condição profissional. Acerca de subsídios, parece que o mal foi começar a sua proliferação. Até bem pouco tempo, o SFS era único tudo corria ás mil maravilhas.Quanto á gratificação da UEP,explico a razão que lhe deu origem, porque integrei a crição do CI,posso afirmar que a génese do mesmo, deve-se não ao facto das funções que cada elemento desempenha, todos de igual dignidade, mas porque os efectivo que compõem aquela unidade estão impossibilitados de fazer serviços remunerados,atendendo á sua permanente dispunibilidade e imprevisibilidade e especificidade das suas missões com frequentes e secessivas deslocações em todo o território nacional, por vezes por dias consecutivos, atendendo a essa incompatibilidade,para obviar o inconveniente que foi colmatado com a atribuição da gratificação e consubstaciada em lei pelo governo da altura, tendo por base o que cada elemento auferiria em média caso pudesse fazer os referidos s. remunerados .

Anonymous said...

November 22, 2008 6:19 AM

Se viajavam assim tanto e eu sei que sim,eram compensados com ajudas de custo ou prescindiam delas?É a velha estupidez desta casa, nivela-se por baixo.Cresça homem! Eu sei que pensar é difícil, mas se não sabe dançar não vá ao baile.Quando quiser ser mensageiro de recados ao menos use bem a inteligência que Deus lhe deu.Ao menos vá ler o que dizem as leis que regulam o funcionamento desta casa sobre disponibilidade para os serviço.Caro senhor, se não é recado ainda é mais grave, até parece um dos entrevistaddos do Contumélias.

Anonymous said...

Há verdades que doem,ser for um visado ainda mais,mas não deixam de ser realidade, sobre legislação quase posso afirmar que não conhece mais que eu quando muito poderá saber tanto,o que não parece dado que demonstra desconhecer quando´há direito a atribuição de ajudas de custo depois que estas são um direito de todos.

Anonymous said...

November 22, 2008 7:36 AM

Não lhe respondo mais porque é de fácil constatação,o déficite de inteligência.Fique com todo o seu conhecimento, porque eu com a sua sorte e a minha inteligência seria sempre um génio.Em cada dia confirmo que andam por aqui muitos "recadeiros".Só se prestam a esse papel os desfavorecidos na capacidade de pensar.Pensar dá muuuuuiiitttto trabalho.

Anonymous said...

Exclareço como fácilmente pode ser constactado e reafirmado, quem começou por pôr em dúvida os conhecimentos,inteligência e argumentaçãode cada um não fui eu eu não fujo á questão inicial não faço crítica pela crítica e de inteligentes estrá o país cheio.O que deixo expresso, não se incere nesse contexto de recados nem recadeiros,adjectivos que são uma fuga de quem não tem argumentação ou não consegue sustentá-la,apenas pretendem tão sómente dar um pequeno contributo,para aclarar dúvidas a interessados que poventura as tenham quem tambem há os que sabem tudo,e basedos em reparos,caro amigo, pode continuar a responder á vontade,não me ofende nada que pense de forma diversa da minha, mau seria se assim fosse,por essa razão não o considero menos inteligente,mas que na DIC há quem sofra desse défite é uma realidade, basta ver o que têm escrito nos posts,fácilmente se deprende que anda por ali gente com maus gostos,falta de personalidade sem carécter e pouca formação depois criticam o livrinho, quando dão piores exemplos,já agora deixo em geito de exclarecimento que as Subunidades dos CMD= vulgo Divisões estão previstas no artº.38º. da LOPSP,L.53/07,quando ás dúvidas suscitadas ao que afirmei no tocante ás gratificações da UEP-GOE/CI aconselho leitura preambular do Dec.L.297/80 e despacho conjunto do MF/MAI de 30/09/77,que as consagrou .respectivamente,até sempre.

franco said...

Esta foi forte!

Anonymous said...

Existem comentadores que embora cantam bem não me alegram, se não são pontas de lança... de facto andam bem informadas graças a quem se presta ao papel de marionete; a mim não me enganam.Aliás, nunca me enganaram,julgava-os pessoas sociáveis, em certa medida neste ponto reconheço que me equivoquei,gostam muito de invocar o contraditório, mas odeiam-o e ofendem quem ouse discordar deles, detestam recadeiros mas são os primeiros a mandá-los,são anti-ventrílocos mas prestam-se a fazer o papel de pato donaltin,continuam a recorrer a abomináveis métodos pidescos,que tanto condenam e de que foram vítimas,mas que pelos vistos lhe serviu de inspiração e adoptaram sem pejo algum.Bem inocar Deuses e santos,usar de tácticado camaleão, são demasiado previsíveis, para mim vêm de carrinho.È com mágoa nada de pessoal me move deixar o amigo Paul R e mudar para o Toni Ram

Anonymous said...

November 30, 2008 5:19 AM

Gosto da expressão "vir de carrinho".
E que tal "falar de lideranças"?
Liderar é assumir mas, por aqui há demasiada gente a assobiar para o lado.Já agora qual eram os métodos pidescos?Viveu nesse tempo?Fez parte da MP?
Deve estar a confundir perspicácia, competência, capacidade de pensar, analisando o que nos rodeia, concluindo de forma racional, o positivo e o negativo.Se questionar e argumentar são métodos pidescos, então vai desculpar não saber o que é democracia.Pode ser que assim o consiga enganar.

Anonymous said...

Como diria o outro vocês sabem do que estou a falar!!!!