Sunday, March 1, 2009

111 / A Origem da Estupidez

De repente Portugal acordou indignado e ofendido porque uma imagem forte e 'mutilada' duma mulher nua, que não por acaso, se encontrava como capa de revista, tinha sido censurada por uma organização fascista, conhecida pelo nome de Polícia de Segurança Pública, ao serviço de um Estado duvidoso, com sede em Braga. Essa censura havia sido prepretrada, imagine-se a coragem e desfaçatez, em plena luz do dia, após relatório anónimo, recolha sistemática de informações e ainda com recurso ao arquivo de informadores. A execução teria sido efectuada por elementos infiltrados, tipo agentes secretos ao serviço do regime, e supervisionada superiormente por um anónimo manda-chuva, certamente um delfim do regime.
Falando de coisas sérias, o que realmente espanta aqui não é a medida cautelar que a Polícia fez - e bem - mas sim até onde isto foi levado. Sendo óbvio que não foi censura do regime, porque será que o MAI veio meter o bedelho ao barulho? Porque será que tudo que tem a ver no terreno tem que ser o MAI a explicar? Será que a hierarquia não sabe o que faz? Quem sancionou o expediente policial e autorizou o seu envio para Tribunal é que deveria vir a lume explicar. Então para que servem os Comandantes Distritais e os Núcleos de Relações Públicas?
E agora um aviso: há muita gente na polícia a rir-se com este caso. Temos recebido correspondência a dar-nos conta do caso. Isto não é para rir. Quem pensa que, demarcando-se do caso, embora sendo polícia, está a fazer uma grande obra, é melhor começar a limpar as mãos à parede e começar a pensar em ser um bocadinho solidário, dar o benefício da dúvida aos colegas, camaradas e companheiros e deixar de municiar esses bandalhos da comunicação social que só querem sangue.

12 comments:

Anonymous said...

O comentário possível foi feito de acordo com os factos reais, conforme foi divulgado na TSF e no Correio do Minho, de 4.ªf.(25FEV09) num artigo da redacção da Lusa, que certamente foi divulgado no circuito a que todos os jornalistas têm acesso, pena é que os media nacionais, só se preocupem em meter lenha na fogueira ignorando as explicações que são dadas por quem está por dentro da situação, e outras pessoas apenas pensem na hora dos telejornais.
Apesar de muita gente nem sempre querer, nomeadamente os pseu-defensores dos direitos universais, Portugal ainda é um Estado de Direito, com regras denifidas e a PSP continua a cumpri-las, por isso submeteu o seu trabalho sem qualquer receio à apreciação das respectivas Entidades, que são os Tribunais.

Anonymous said...

Pois, é pena que agora, ao verem-se "entalados" pelos media os venham censurar... São estes mesmos media que cobrem as acções policiais e lhes dão relevo... Há que ser coerente!

Relativamente aos factos, não vi ninguém da hierarquia dar a cara... o que não espanta.

Anonymous said...

Factos são factos. Não vale a pena chover no molhado. O DN assumuiu o erro como lhe competia. Lição para o futuro e colher ensinamentos.

Anonymous said...

Publico aqui um mail recebido que é no mínimo melhor para se ler que o livro que foi apreendido

O DESMANTELAMENTO DA MAIOR INSTITUIÇÃO MILITAR E POLICIAL DE PORTUGAL

A recente reestruturação das forças policiais (GNR, PSP e PJ) veio acentuar a militarização da segurança e polícia em Portugal, veja – se o caso da PJ que passou a articular – se em Unidades. Na Guarda o acentuar do militar em detrimento do polícia caracterizou – se com a chegada às estruturas superiores de comando de oficiais puramente militaristas do Exército, com o apoio de alguns oficiais da Guarda
que sempre defenderam a Guarda como 4.º ramo das Forças Armadas (FFAA) e com
menores funções policiais.

Entre os oficiais da Guarda que defendem que esta vertente estão alguns coronéis e tenentes – coronéis do CFO, com ligações à velha guarda (das polainas, do capote e da camisa verde) e alguns oficiais de sangue azul (com tradição familiar militar ou defensores da causa militar) com formação na Academia Militar (AM), isto nas palavras de um conselheiro militar altamente colocado. Segundo esse conselheiro a esmagadora maioria do oficias da Guarda formados na AM não passam de traidores à causa militar pois privilegiam a Guarda policial em prejuízo da Guarda
militar e como tal têem que pagar por essa traição, sendo retardados, ou mesmo impedidos, na ascensão a oficiais generais. Para isso foi traçado, pelo lóbi das FFAA, em especial do Exército, 3 cenários:

CENÁRIO I – A GNR e a PSP são extintas e é criada uma Policia Nacional (PN), de natureza civil, e como os oficiais da PSP, formados no Instituto Superior de Policia, já ocupam postos superiores aos oficias da Guarda, formados na AM, seriam estes a ocupar os lugares de cúpula na estrutura da PN o que iriam retardar a ascensão dos oficias oriundos da Guarda.
Este cenário é o que mais agrada ao lóbi das FFAA pois, fazia com que estas tivessem um papel importantíssimo na segurança nacional através de uma Guarda Costeira no seio da Armada, constituída pela actuais UCC/GNR e pela Polícia Marítima, e de uma Policia Militar no seio do Exército, constituída pelas actuais UI/GNR e USHE/GNR para actuar como retaguarda da PN, em caso de incapacidade desta, ou em missões internacionais (aqui acabava a oposição da Guarda às FFAA nestas missões). Os oficiais da velha guarda e de sangue azul como compensação transitavam para as FFAA para comandar a Guarda Costeira e a Polícia Militar.

CENÁRIO II – A Guarda é reduzida a uma Guarda Nacional, como 4.º ramo das FFAA, e nesse sentido a actual estrutura territorial, incluindo SEPNA e Investigação Criminal (IC), a UNT e a UAF fundiam – se com a PSP na PN, e mantinha – se o panorama mencionado no 1.º parágrafo do Cenário I, ficando a GNR unicamente com as actuais unidades mais militarizadas (UI, USHE e UCC) e de comando de oficial general. Ou seja as FFAA mantinham-se até ao fim e quando os oficias da AM acendessem ao generalato eram premiados os de sangue azul. A Guarda recebia, ainda, a actual UEP/PSP ou, as suas funções.

CENÁRIO III – A Guarda é transformada numa força policial de segunda categoria, como polícia rural, assim a PSP ficava com todas a cidades de média dimensão actualmente policiadas pela Guarda (Fafe, Felgueiras, Penafiel, Albufeira, Loulé, Moita, Fátima ….), a UAF regressa ao Ministério das Finanças, a UCC para a Armada e as atribuições da IC da Guarda passam para a PSP. Este é o cenário de recurso.


Actualmente assiste – se a algumas vinganças às unidades que afrontaram os lóbis militares e poderosos e em que os majores–generais não tinham grande controlo sobre o efectivo dessas unidades devido à sua dispersão territorial como eram os casos da BF e da BT. Assim essas unidades foram desmanteladas e substituídas por outras mais pequenas e centralizada de forma a serem melhor controladas. UAF 6 Destacamentos e 456 militares. UCC 6 Destacamentos e 13 Subdestacamentos. UNT 2 Destacamentos e 172 militares.


O desmantelamento das BF e da BT, bem como das outras unidades, foi para provocar alarido e descontentamento entre as fileiras de forma a transparecer que a Guarda é uma força indisciplinada e como tal um perigo para a soberania nacional, pelo que esse perigo terminará com a sua extinção.

Com a revolta da ex. BT a PSP está a propor ao MAI a criação de uma Brigada Nacional de Trânsito. Ou seja, esta reestruturação, congeminada no IESM, foi feita para acabar com a Guarda.

Anonymous said...

Ainda pensei utilizar o meu GPS, com o intuito de vir a saber em que zona do País estaria centralizada "A Origem da Estupidez".
Espanto meu...
Não foi preciso.
A sua origem, está descrita no próprio texto do autor...
"Quem sancionou o expediente policial e autorizou o seu envio para Tribunal é que deveria vir a lume explicar."
Cá está, afinal foi fácil ...
Se o GPS não fosse tão necessário na viatura, arrependia-me por certo de o ter adquirido.
@k

Franco said...

A estupidez, a sua origem, daquilo que eu depreendi da leitura do post, não está na acção policial, que acho correcta. A estupidez está na transformação do facto menor (alguém se sentiu incomodado) em um facto crescido (censura por parte da PSP)que degenerou num facto maior (com a intevenção do MAI) tendo acabado em aberração (assunção dum inexistente erro por parte do Director Nacional da PSP, num dia em que se despedia de elementos que iam para Timor - os OCS são cada vez mais piranhas!!!). A estupidez, a sua origem, está na transformação do facto menor. Do facto menor não ser tratado como tal. A lagartixa foi transformada em crocodilo.

Anonymous said...

O incrível é o comentário/declarações do D.N.Um líder nunca pode ter estes comentários.Se o local era de acesso livre ao público e houve queixas formais dos seus visitantes, a apreensão está muito bem feita, ainda que custe muito a certos eruditos de última hora.

Anonymous said...

Uma vez que a política intefere na gestão quotidiana,em práticamente todos os serviços, eu proponha uma solução radical que viria de encontro as politicas economicistas seguidas pelo governo, começava por extinguir o ministério publico, tribunais seguida das chefias das diversas instituições, numa segunda fase substituia os elementos que andam em campo pelos ministros e deputados, o déficete público iria baixar de certeza.

Anonymous said...

Para alguma intlectualidade de pacotilha,como alguem referiu, afirmação esta que continua actual,neste país leis são sujestões, que convém que existam para usar quando nos dêm geito, desde que não nos incomódem a nos.

Anonymous said...

Perante o tema do post,chegou-me aos ouvidos através de um caracol em marcha lenta,que lá para os lados de leiria houve um despiste(e que rico despiste)numa via de comunicação"carretera"de uma viatura estatal,mais propriamente atribuida a uma perssonalidade de uma instituição policial/azul,dirigida por uma altíssima patente do COMETLIS,e que por sua vez iria acompanhado por 2 cocacolas"geitosinhas"que até davam vontade de comer ao invés de beber,e ao que parece o banco do piloto iria regado com tempero de etílismo.E ao que parece a dita máquina rolante/estradal,se encontra armazenado num bunquer aí para os lados das oficinas. Se alguem souber de mais,informe aqui o público em geral que de estúpido não temos nada.

Anonymous said...

Isto é area a mais para a minha camionete.

Anonymous said...

Só merda...