Tuesday, December 9, 2008

103 / Oh! É Lá Fora!

Mumbai, Lá Fora n.º 1 - Na India, o aviso terrorista não podia ter sido mais claro: os valores dos fundamentalistas islâmicos estão plasmados nos resultados. Também na audácia da execução. Por parte da autoridade do estado, a impotência da contenção. O exercício só acabou com a morte dos terroristas. O exército da maior democracia do mundo, também participou.

Atenas, Lá Fora n.º 2 - Na Grécia, o aviso terrorista vem encapotado. Resumidamente um polícia matou um jovem de 15 anos. Os jovens descontentes protestaram, manifestando-se. O governo tomou as medidas que tinha de tomar: suspendeu os elementos suspeitos dos disparos e (supunha-se) o caso seria resolvido no tribunal. A oposição [essa sim assassina porque aproveita as circunstâncias] fomenta as manifestações contra o governo para ver se este cai. Assim vai o povo na democracia mais antiga do mundo.

21 comments:

luis said...

Este é o retrato da democracia em que vivemos.
Não só no nosso pequeno país, mas sim em todos os que nos rodeiam.
O facto de na Grécia a oposição se aproveitar dos acontecimentos para seu proveito próprio, não é de admirar.
Vivemos numa democracia de interesse próprio, não numa de interesse comuns, caminhamos a passos largos para que este modelo de democracia impluda.
Com um pouco mais de tempo e com o faz de conta da Governação dos Países, chegaremos lá.
Talvez tenham de tombar alguns sonhadores, para que o mundo se torne melhor para todos e não só para uns.

Anonymous said...

É lá fora, mas chegará cá!
Da mesma forma que o carjacking chegou, que os assaltos a bancos em catadupa chegaram e que muitos outros fenómenos criminais que apenas conhecíamos pela TV chegaram, também estas convulsões chegarão. Até porque, o poder político, com as mensagens de brandura da justiça que tem feito passar, está a abrir as portas a estes comportamentos.
Resta saber como é que nós, Polícia, reagiremos a estas situações! Estaremos preparados?

Anonymous said...

Parece-me que muita gente neste país ainda não se apercebeu que 2009 ainda não começou e e continuam a fechar empresas... E muitas escolheram fechar após o ANO NOVO esperem para ver... 2009 vai ser duro, para todos e para os O.P.C. em particular, pois todos sabemos que a onda de crime do verão ainda não acabou, basta ler um qualquer diário... E para nós virá apenas MAIS DO MESMO acrescido de mais trabalho.
Não temos direito à greve e acho bem, mas tambem acho que todas as profissões dos pilares da sociedade, SAÚDE EDUCAÇÃO E JUSTIÇA, não deveriam poder fazer greve nomeadamente Classe Médica e Docente. Para "os outros", um Polícia em portugal tem o mesmo valor de um funcionário das obras, é mão de obra barata!! E se quiser ganhar mais dinheiro, que faça remunerados durante o tempo que tem para ser homem pai ou cidadão! Não temos direito à greve... E DEPOIS? somos capados? Se quiser-mos de facto unir-nos então que se JUNTEM TODOS OS SINDICATOS PARA ESCOLHER UM FORMA DE PROTESTO QUE HUMILHE AQUELES QUE NOS REPRESENTAM E NOS GOZAM TODOS OS DIAS e verão que se a maioria dos sindicatos aderir a maioria de nós não vai virar as costas.

Ass: Polícia com P

Lino said...

Concordo com com algumas das ideias já expressas quanto ao estado económico e social de Portugal e que é comum a todo o mundo neste momento. Contudo, não podemos ser assim tão pessimistas e cabe ao cidadão evitar exageros e exacerbamento de situações vistas nos outros países. Em Mumbai, não há sequer explicação, começou em 2001 e sabe-se lá quando terminará. Quanto à Grécia, não a queiram comparar com o nosso país. A Grécia é um país anarca por natureza, nasce-se anarca, vive-se anarca e morre-se anarca. Este modo de vida adicionado à violência gratuita e à politica, gera o que se tem visto. É histórico e vai continuar e acontecer mais tarde, em outra situação. Por cá, apesar da crise, cabe-nos a nós cidadãos evitar que os extremismos aconteçam, até porque nada resolvem, para além de criar mais miséria.

Anonymous said...

As democracias são muito bonitas, mas não resolvem problema algum, o cidadão está á mercê de toda a espécie de vândalos que dominam já partes de território de alguns países, o inimigo actualmente já não é externo está nos próprios países,e conta com conivências de responsáveis, o povo anda mais amedrontada que no tempo dos fascimos, não se sente seguro em lado nenhum, por mais que alguns pintem o quadro cor de rosa .

Bombaim said...

Se para Bombaim escreve Mumbai, porque escreve, então, Atenas em Português??
Bombaim, senhores, Bombaim.
Não inventem!

Anonymous said...

Ahahahahahahahahahahahahahahaha
Ó Bombaim, não bebes mais nada hoje, que anda aí o rapaz do balão, penso eu de que.....

franco said...

A questão os nomes sempre foi uma coisa copmplicada:
- LONDON, Londres;
- NEW YORK, Nova Iorque;
- CEYLAM, Ceilão, já não é, passando a
- SRI LANKA, Sri Lanka;
- BURMA, Birmânia;
- SAMATRA ou Sumatra (aqui é uma verdadeira palavra «torna viagem». Explico depois o que quer dizer)
- BEIJING, Pequim (ou Beijing?)
- PORTUGAL, Cuba (para alguns madeirenses).
Enfim uma complicação.
Mas aqui o que se trata é das questões sociais, em dois exemplos que se passam no mundo. Penso que «policiadas» quis apontar três caminhos:
1.º - É lá fora, (será que) não é connosco?;
2.º - O terrorismo não é só dos islâmicos fundamentalistas;
3.º - Vamos começar a olhar para dentro com atenção.

luis said...

Em relação à chegada deste tipo de motim, não acredito que chegue a Portugal. Nós somos calmos serenos e, não olhamos mais longe que a distância de um palmo para a frente do nosso umbigo.
Tenho a certeza que nós Policias cá estaríamos a ser sacrificados e a sacrificar a nossa família para a resolução de mais este problema de Ordem Pública, pois apesar de a Lei nos obrigar e de não nos compensar por isso nós Policias continuamos a acreditar na causa que abraçamos.
Mas não se esqueçam que haveriam muitas pessoas a ganhar protagonismo e a receber os louros com a resolução de mais esta situação, resolução esta efectuada por Policias e no final de tudo nós Policias, ficaríamos na mesma a ser humilhados, esquecidos e muitas vezes mal tratados por todos aqueles a quem defendemos.
Lino tens toda a razão, mas começo a pensar que chega de ser sempre o Cidadão comum, (mexilhão), a compor os erros que alguns e, por muitas vezes os cometem para e com o intuito de dai retirarem proveito próprio. As Instituições e o Estado têm de começar a resolver estes problemas, que na maioria das vezes é provocados por pessoas que se unem e são defendidos por quem nos devia defender.
Mas esta é a minha opinião e vale o que vale.

Anonymous said...

Um bocadinho fora do contexto, mas aqui vai:
Alguém sapiente me poderá explicar como é que há quase 20 anos a PJ recebe um suplemento de risco, na minha óptica,irregularmente?
Diz a lei, texativamente, que "o suplento de risco é fixado em 25% sob o indice 100 da respectiva tabela salarial", ora esse indice 100 são cerca de 800 Euros, o que dá 200 Euros de suplemento de risco.
Para meu espanto todos os inspectores (categoria mais baixa) recebem 391 Euros, ou seja 25% sob o 1º Escalão de inspector!!!Isto não está, nem, que eu saiba,nunca esteve consagrado na Lei, que fala sim em 25% sob o indice 100, que dão os tais 200 Euros! Fantástico não????

Anonymous said...

Vai chegr rapidamente e em força esta onda de pensamento a Portugal.Basta tão só refectir sobre o porquê do Bloco de Esquerda ter tamanha votação, a organização social defendida pelo partido Socialista, a apetência desmedida do poder.Tudo isto é reflexo da falência do ensino em Portugal, porque não ensinou as suas gentes a pensar de uma forma racional.
Quanto aos sindicatos na PSP, são simplesmente uma nulidade, venderam o direito á greve a troco de nada, a disponibilidade permanente a troco de nada, o contraponto dos deveres e direitos é constantemente alienado, porque os seus dirigentes são portadores de vaidades bacocas, pensamentos vazios e egos perversos.Entenda-se perverso como acção traiçoeira aos seus associados.

José said...

Atenas é um retrato que vejo na rapaziada da quinta da fonte, chelas etc..um rastilho para a violência que facilmente aqui pode degenerar..já o referi no meu blogue e não tenho duvidas...um caso semelhante, aqui, pode levar ao eclodir de situação semelhante..

Anonymous said...

Quinta da Fonte, Chelas, Casal dos Machados. Paris, Atenas, Cerco só para amostra.O mal foi os políticos conferirem autoridade aos criminosos, que já se sentem inportunados se são contrariados nos seus direitos.

Anonymous said...

Chamar a isto democracia,estado de direito,isto é ausência de estado e estado de selvejaria,depois admiram-se do que tem acontecido em África, depois do que tem acontecido em capitais Europeias.

Anonymous said...

Tem toda a razão.

Anonymous said...

Estará esta Democracia esgotada?
É este o caminho?

Anonymous said...

Esta democracia está mais que esgotada. O caminho é imitar a Grécia

Anonymous said...

O facto da crise não justfica a onda de crimes,na Grécia, França ou cá, mal foi esta democracia á portuguesa ter criado uma casta de pessoas, que se habituaram a facilidades,e tudo ter sem esforço não vão muito longe os tempos em que o nível de vida e pobreza eram muito superiores, as pessoas trabalhavam para sobreviver, actualmente não,a maior parte do crime, não é para matar a fome, mas sim para exibir bons carros, vestir e calçar artigos de marca, ter telemóveis última geração,inacessíveis á maior parte das pessoas, quem é que tem tudo isto, muitos dos moradores dos bairros sociais que recebem o rendimento de inserção... social pago por nós,depois vem alguns políticos caducos falar de possibilidade de Portugal se tornar ingovernável,isto é que é de políticos visionários, estão sempre á feição do vento.

Anonymous said...

O que aconteceu na Grécia ou em França, e em outros países de proporções ainda mais graves,com grupos armados a enfrentar os exércitos, não é exclusivo desses países, pelo andar que a criminalidade leva em Portugal,graças á nossa democraciasinha, não tardará a moda chegar,a culpa todos a conhecem, leis que a favorecem, mas continua tudo em sono profundo quando acordarem talvez seja tarde demais,creio que haverá algum arrepiar de caminho a seguir ao próximo acto eleitoral, com a estrondosa derrota que vai ser inflingida ao ps, não tanto pelas suas seguidas políticas sociais, agravadas pela crise internacional, que essa o povo ainda reconhece não haverá muito a fazer e poderá ter alguma condescedência, mas as políticas do crime e combate á corrupção, que o ps séria que o ps recusa, antes favorecendo o crime e a sua propensão para reincidir na asneira em detrimento das vítimas e de quem trabalha com o anunciado código de execução de penas,é revelador que,não têm emenda e vão ser causa da sua merecida travessia do deserto em parte muito em favor do cds, que julgo irá ter uma votação como nunca, embora não vá fazer nada,mas chama aos bois pelos nomes, sem complexos.

Anonymous said...

E porque não um referendo ao povo entre esta democracia e a ditadura?.pela certa que os (democrachos)iriam ter uma desagradável surpresa.

Anonymous said...

Cambate á corrupção????????.e crime.no actual contexto político é práticamente uma missão impossível, porque ninguém vai fazer leis, para se queimar a si próprios,tão mal diziam da velha senhora, afinal são muito piores.