Wednesday, December 17, 2008

104 / Mário O DesCOBRIDOR

Há alturas que espantam! Normalmente, quando algum figurão toma posse, aparece uma dessas alturas. Teimam em babosear-se, ornamentar-se, chicoespertar-se, etc. São uns autênticos descobridores da pólvora. Ao Sr. novo Inspector Geral da Administração Interna [IGAI], que desde já recusamos a desejar umas boas vindas, não pelo lugar e funções, mas pela pessoa em si que nos gera um grande sentimento de insegurança e parcialidade.[ E porquê? Porque ele próprio tem aparecido em momentos processuais pouco claros e menos esclarecidos. ] Na tomada de posse - mais uma vez - o discurso de quem acha que, quem cá anda há décadas, não tem andado a fazer nada e, com a chegada do iluminado, tudo vai mudar: «É preciso arranjar maneiras, métodos, sistemas e meios para combater esse sentimento [de insegurança das populações]». Parece que não ofende mas ofende. O que é que nós temos cá andado a fazer? Quanto às maneiras, Sr. IGAI, podemos começar por dar algumas sugestões: Sempre que apontar um defeito numa Esquadra Policial ou Posto da GNR, faça-se acompanhar dum cheque, de preferência chorudo, para de imediato se proceder às alterações propostas e erros apontados. Liberte os motoristas, telefonistas e recadistas que tem, porque são polícias; libertem-se os motoristas dos governos civis que são polícias; que se notifiquem os tribunais para que sejam eles a fazer as notificações e que para o efeito têm que dotar os seus quadros. Sr. IGAI, para terminar, informa-se que a sua tarefa deve ir para além das polícias e de processos a polícias. A Administração Interna é enorme. Investigue o SIRESP, as ambulâncias, as compras para o combate aos incêndios e quem as fez. Sr. IGAI: Trabalhe e deixe que as polícias combatam a insegurança e o seu sentimento, pois não é com burocratas que se combate o dito cujo.

15 comments:

Anonymous said...

Este Dr. é o marido da Governadora Civil de Faro, não é?Gostava de lançar aqui um desafio, para tentar perceber melhor o Sr. Inspector.No TR que processos teve que analisar e qual o seu sentido de voto.Uma análise ao seu histórico poder-nos-á ajudar a compreender melhor as suas atitudes.Quanto ao conselho dado no post sobre investigações ao SIRESP, é tudo muito secreto (este sublinhado).Quinhentos milhões, normalmente as comissões rondam os dez por cento,logo é fazer as contas como diria o amigo Guterres.Tendo o caso BPN figuras pró PSD, os figurões do SIRESP quem são?Como disse Zeca Afonso "eles comem tudo, eles comem tudo e não deixam nada".Como católico e heterosexual, acredito que a contabilidade final é feita com Deus, outros há que que pagam as suas dívidas na Terra.

Anonymous said...

Será que vamos ter novamente a famigerada -Fundação para a Prevenção e Segurança?-"O desembargador Varges Gomes foi membro-fundador e presidente do conselho fiscal da FPS - Fundação para a Prevenção e Segurança, desde a sua constituição em 1999 até à sua extinção em 2001, criada pelo secretário de Estado, e depois Ministro da Juventude e Desporto, Armando Vara".

Anonymous said...

"O juiz desembargador Mário Manuel Varges Gomes é casado com a vice-presidente socialista da Câmara Municipal de Portimão, Isilda Maria Gomes, que é também presidente da Comissão Política Concelhia do PS/Portimão e apoiante de José Sócrates".
Hoje Governadora Civil de Faro.

Anonymous said...

O magistrado que decretou o fim do segredo de justiça no processo da Operação Furacão é o mesmo que, há quatro anos, confirmou a inocência do socialista Paulo Pedroso no processo da Casa Pia.

Susana Represas

Mário Manuel Varges Gomes é magistrado há 30 anos e em Agosto de 2004, estava de turno no Tribunal da Relação de Lisboa, onde ainda hoje é desembargador. Nessa altura foi parar às suas mãos um recurso sobre a decisão da juíza Ana Teixeira de não levar a julgamento o ex-ministro do Trabalho do PS, no caso de pedofilia que abalou a Casa Pia de Lisboa.

Mesmo antes de tomar a decisão, de confirmar a não pronuncia, já o desembargador estava envolvido em polémica, tendo em conta a sua proximidade com o PS.

Varges Gomes é casado com a dirigente socialista Isilda Gomes, governadora civil de Faro e ex-vice-presidente da Câmara de Portimão. Mas o próprio Varges Gomes tem ligações ao PS: foi membro-fundador e presidente do conselho fiscal da FPS - Fundação para a Prevenção e Segurança. A fundação, criada pelo Ministro da Administração Interna, Armando Vara, foi extinta em 2001 após ter sido objecto de um relatório do Tribunal de Contas, de um parecer da procuradoria-geral da República e uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

Quem o conhece descreve-o como um homem seguro, competente e tranquilo. Mas após a decisão sobre Pedroso, Varges Gomes volta a assinar um acórdão controverso, ao decidir que a Operação Furacão tem de ser aberta aos arguidos que reclamaram o fim do segredo de justiça. No texto, o magistrado sublinha que o processo decorre há quatro anos, num caso que, de acordo com o desembargador, envolve apenas “alguma complexidade”.

Anonymous said...

Desgraçados de vós, doutores de leis, porque guardais a chave que abre a porta da casa da sabedoria. E assim nem vocês mesmos entrais, nem deixais que os outros entrem". Foi com um acórdão recheado de citações, entre as quais esta de São Lucas, que dois juízes-desembargadores confirmaram a decisão que decretou o fim do segredo de justiça na 'Operação Furacão'.
Apesar de o Ministério Público sustentar até à exaustão a complexidade dos crimes em investigação - fraude fiscal, branqueamento de capitais e burla com recurso a um esquema internacional de simulação de facturação - os juízes Varges Gomes e Teresa Féria só reconheceram a existência de "alguma" complexidade. Fazendo questão de sublinhar em maiúsculas que o processo decorre há "quatro anos". Por isso, "não se vislumbra razão alguma" para manter os autos "em segredo, na vertente da consulta pelos arguidos".
Tudo isto e muito mais no Blog OPUS.

Anonymous said...

qual o endereço completo do Blog OPUS ?

Quanto ao DesCOBRIDOR, mais do mesmo.

ATITUDE, ATITUDE. Somos poucos mas bons.

Anonymous said...

http://www.opus-gc.blogspot.com/

Anonymous said...

Ensina-nos a experiência que devemos ter sempre uma visão crítica sobre a vida.

Nessa perspectiva, não creio que a temática abordada neste último artigo do blogue denote uma apreciação suficientemente cuidada sobre a IGAI.

É, aliás, muito fácil ir numa de "boata a baixo" com os motoristas, tarefeiros e outros que, pertencendo às forças, exercem, de forma honrada, a sua actividade noutros organismos, como seja a IGAI.

Mais difícil será, por exemplo, exigir responsabilidades a quem, nomeadamente nas Forças, não cumpre os despachos ministeriais exarados sobre propostas da IGAI, isto há mais de uma década...

Compreendo que esta última observação seja mais difícil de entender, mesmo que não venda tanto papel, mas caramba vamos lá ser honestos naquilo que se escreve.

O saudoso Dr Rodrigues Maximiano era um homem de virtudes e uma delas sempre me tem orientado ao longo destes anos: Distinguir o essencial do acessório.

Vamos lá "educar" essa distinção e, pelo menos, concedamos o benefício da dúvida ao Dr. Varges Gomes.

December 19, 2008 3:23 AM

Anonymous said...

Este último está apresentado!
Deve mamar na mesma teta...

Anonymous said...

December 19, 2008 7:19 AM

Tem cartão do PS? Só quem não conhece o funcionamento da IGAI, tendo á frente um pensamento de matriz ideológica, no mínimo polémica, é caso bastante para que as pessoas equilibradas pela razão,sintam que algo vai desiquilibrar.Tive bastante cuidado analítico feito aos casos que envolveram o SR DR Varges Gomes e digo, sem qualquer relutância, eu NÃO CONFIO.O cargo de IGAI, não é compatível com pessoas de atitudes polémicas.

Anonymous said...

"Mais difícil será, por exemplo, exigir responsabilidades a quem, nomeadamente nas Forças, não cumpre os despachos ministeriais exarados sobre propostas da IGAI, isto há mais de uma década..."
O "December 19, 2008 7:19 AM", será que se está a referir ás propostas sobre o processo do 25 Abril/esquerda, no Chiado ou ás cowboyadas?Ou aos Ministros que não cumpriram e nada fizeram por isso, aos reparos do Dr Maximiano sobre habitabilidade de grande quantidade de departamentos policiais, ou sobre os vencimentos dos polícias.O SR DR Maximiano celebrizou a frase"o ordenado dos policias esgota-se no supermercado".Há que ter memória e honestidade mental.

franco said...

Sempre que aparece um gajo que venha interagir com as polícias pensa que vai mudar tudo. Dá uns sermões, umas entrevistas, diz que instaura uns inquéritos (como se fosse preciso ele dizer quando há e não há inquérito) e depois vai-se embora não sem antes ter dado umas cacetadas nuns quantos polícias. Eis a gratificante tarefa dos IGAIS até agora.

Anonymous said...

O "tipo" que fala com os NNB`s (claque afecta ao SLB) tem que saltar do lugar.Em qualquer altura compromete outros assuntos.Á mulher de César não basta ser, tem que parecer.Pelo menos até á conclusão do processo.No somatório dos factos, já estamos a sair da coincidência.O Sr comandante Prates e o Sr Comandante Azevedo Ramos, têm que diligentes e inflexíveis.Alguns OC`s pagariam bom dinheiro por estas histórias.

Anonymous said...

"Têm que ser diligentes e inflexíveis"

Anonymous said...

"Este último está apresentado!
Deve mamar na mesma teta..."

Quem escreve assim, está apresentado.

É pena que o debate para estas pessoas se resuma a "bocas", mas é o que temos... é pena...