Monday, April 21, 2008

62 / Onde Estávamos a 21 de Abril de 1989?

Se não fosse o homem do lado, provavelmente o movimento sindical da PSP não tivesse tido o trajecto que teve. Mas, passados estes anos todos, o que são os sindicatos, os sindicalistas e qual a sua relação com os polícias? Havendo sindicatos para (quase) todos os gostos, não havendo limitações à sua constituição, o que temos hoje em dia, são grupos organizados que fornecem umas folgas extras a alguns dos seus associados. Pelo caminho, vão fidelizando associados, na medida que estes se fidelizam na conta do telemóvel (barato) que puderam comprar por pertencer ao sindicato. Fazem-se mais uns seguritos, e... pouco mais. Ou seja, grosso modo, o movimento sindical na PSP está completamente descredibilizado. Não porque não consigam chegar à fala como os Directores Nacionais ou Ministros, porque o conseguem. Então o que se passa? É que os sindicatos estão moral e eticamente pelas ruas da amargura. Em Abril de 1989, após aqueles acontecimentos no Terreiro do Paço, pensou-se que se daria um grande salto em frente. Foi um redondo engano. É com mágoa que, passados estes anos todos, não se tenha evoluído e se tenha caído na actual estagnação. A todos os que lutaram e sofreram para que fosse criado o movimento sindical na PSP, a nossa homenagem. Aos actuais líderes, o desejo que se concentrem no essencial, que acabem de vez com maus hábitos e que falem mais para dentro do que para fora, pois é dentro de casa que os problemas devem ser resolvidos.

Silveira Godinho
NOTA MUITO IMPORTANTE: Esta mensagem tem-se mantido com a foto única de Dias Loureiro. Hoje, 25 de Abril de 2011, descubrimos o erro. Publicamos a foto do MAI da altura mas mantemos a mensagem original

4 comments:

Anonymous said...

A maior parte dos actuais efectivos não estava na PSP. A 1ª Escola Superior ainda não tinha acabado. Por isso, concordando com o «post» não se pode falar de coisas que não vivemos da mesma forma como se as tivessemos vivido. Há que andar para a frente e deixar de falar mal da nossa casa a qualquer estagiário de jornalismo. Quanto às folgas, já trabalhei um fim de ano porque um «sindicalista» teve actividade sindical no dia 31 Dezembro e 1 de Janeiro.

Anonymous said...

Para que haja mudanças positivas é necessário haver vontade política. Com menos de uma década ao serviço desta força concluo que estamos ainda a "anos luz" do verdadeiro sindicalismo, comparando por ex, com Inglaterra ou França. Sem vontade política e sem união entre os polícias... daqui a dez anos estaremos a debater os mesmos assuntos. Serei pessimista? Realista? A verdade é que de dentro para dentro só se vê interesses mesquinhos entre NÓS, pequenas rivalidades e picardias que em nada contribuem para a UNIÃO DESEJADA.

Anonymous said...

Não vale a pena, desde a classe de agentes até oficial, se houver alguém Bom, é encostado, os maus, esses vingam. Nos sindicatos, sem apoio de base, sem líderes, e sem sócios à altura, com este materialismo actual, nada feito.
Empurram, criticam mas ninguém oferece o corpo.
Covardia intelectual é confundir dispensas sindicais com a actividade sindical de quem ainda tem ideiais.

newPolicíadas said...

o MINISTRO DA ALTURA ERA SIVEIRA GODINHIO E NÃO DIAS LOUREIRO. OS NOSSOS PEDIDOS DE DESCULPA JÁ FORAM DIVULGADOS NA NOSSA PAREDE DO FACEBOOK.